quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

O regime soviético era comunista?

Ou, reformulando a pergunta: o regime político que vigorou/vigora nos países ditos comunistas pode legitimamente considerar-se comunista?


O comunismo dos tempos modernos é baseado na teoria marxista-leninista, isto é, nos trabalhos de Marx e de Engels, assumidos e completados por Lenine, para quem fica a eterna glória de os levar à prática na Rússia.
Se se quiser assinalar uma data inaugural para o comunismo moderno, pode-se escolher 1848, ano em que foi publicado o "Manifesto do Partido Comunista", da autoria de Marx e Engels; cita-se daí:
- "os comunistas declaram abertamente que não poderão atingir os seus objectivos a não ser destruindo pela violência a ordem antiga".
O comunismo seria o socialismo "científico" - Engels chamou a Marx "o Darwin da história".
O "motor" da história era a luta de classes, que terminaria pela vitória do proletariado sobre a burguesia, conseguida por uma revolução violenta, com a abolição da propriedade privada e com a eliminação da classe exploradora. São várias as expressões "duras" na exposição do comunismo, como por exemplo: a ditadura do proletariado; a violência é a parteira da história; os fins justificam os meios.
Ficou famosa a invectiva de Bakunine a Marx, num congresso da Associação Internacional dos Trabalhadores (a 1ª Internacional), por volta de 1870:
- "o pseudo estado popular não será nada mais do que o governo despótico das massas proletárias por uma nova e muito restrita aristocracia de verdadeiros ou pretensos sábios. (...) Assim, para libertar as massas dever-se-á começar por oprimi-las."
À necessidade da violência revolucionária, que surge portanto já nos escritos de Marx e Engels, Lenine acrescentou a indispensabilidade do recurso ao terror para se conseguir instaurar o comunismo.
Leiam-se as seguintes instruções de Lenine, Agosto de 1918:
- "introduzir imediatamente o terror em massa, fusilar ou deportar as centenas de prostitutas que embriagam os nosso soldados, todos os ex-oficiais, etc.(...) deportação maciça dos mencheviks e outros elementos suspeitos."
Abundam os exemplos semelhantes nos escritos de Lenine; aqui estão mais uns quantos.
Todos os instrumentos necessários para o Grande Terror, sob Staline, já tinham sido pois preparados e bem testados por Lenine até à data da sua morte, em 1924.
O regime implantado na Rússia (depois URSS), e que daí alastrou à Europa de Leste, China, Cuba, etc., , tem pois de ser considerado como comunista, isto é, conforme com os ensinamentos marxistas-leninistas, tendo sido usados em todos esses países, sem excepção, o terror, as execuções sumárias, as deportações, o assassinato político.
Apenas o extermínio em massa pela fome terá sido um exclusivo da URSS e da China, onde dezenas de milhões de indivíduos foram assim vitimados.
Interessa também ter muito em conta a opinião dos marxistas dos países não-comunistas, nem todos membros dos PC locais, entre os quais se contaram intelectuais europeus de primeiríssimo plano, os quais, fora uma ou outra defecção, sempre apoiaram entusiasticamente esses países e os reconheceram como comunistas de pleno direito, sem qualquer restrição. E muitos não ignoravam, bem pelo contrário, as violências brutais que neles eram cometidas.
Portanto, e em conclusão: sim, o regime dito soviético era comunista. Pretender hoje em dia, após o descalabro do sistema, que não o era, será querer tapar o "Sol do Mundo" (a URSS) com uma peneira!

Sem comentários: